Sucesso no transplantio com o Sistema Ellepot

 

 

 Entrega de pinus - uma carga de mudas de pinus prontas para entrega. As plantas no sistema Ellepot podem ser entregues em campo sem as bandejas, reduzindo os desafios logísticos em devolvê-las aos viveiros.

A Ellepot South Africa vem trabalhando com os principais viveiros florestais da África do Sul nos últimos dois anos e é incentivada pelas empresas florestais que usaram o produto. Os viveiros fabricam Ellepots no local e propagam suas plantas  nesta embalagem degradável, o Ellepot, o qual   é inserido diretamente no solo. Isso reduz drasticamente o choque de transplante, levando a um melhor estabelecimento no campo. “A mensagem clara dos silvicultores é que os Ellepots são mais fáceis de manejar e melhor para transplantar, especialmente em condições adversas”, diz Shaun Biggs, diretor da Ellepot na África do Sul.

Os Ellepots têm um desempenho particularmente bom em comparação com as bandejas de plástico padrão quando as plantas são rudemente manuseadas  e as condições de plantio são quentes e secas. Ambos os cenários  acima mencionados estão se tornando cada vez mais frequentes devido às técnicas de plantio mecanizado usadas hoje e aos efeitos das mudanças climáticas.

Além dos citados benefícios, as raízes são naturalemente podadas no viveiro, levando a uma maior massa de raízes e a uma melhor arquitetura radicular. “A poda aérea é uma das principais vantagens do sistema em relação aos tubetes plásticos, porque resulta em uma melhor estrutura radicular, em crescimento mais rápido das árvores e menos queda das mesmas no campo devido às ventanias”, diz Biggs.

Transplantio de E.dunnii -   a redução de choque no transplante  leva a um desenvolvimento radicular mais rápido e à consolidação no plantio. Nesta foto temos um exemplo do desenvolvimento radicular  da muda do Eucalyptus dunnii  em Ellepot, 5 dias após o plantio em campo.

Estamos confiantes de que o Sistema Ellepot é a melhor solução para o estabelecimento de plantas florestais na África do Sul e apreciamos o trabalho que está sendo realizado por diversos viveiros para adaptar e melhorar o sistema ao ambiente no nosso país”, finaliza Biggs.